quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

José triunfando na adversidade.



O jovem José na casa de Potifar prospera, bem administra e é posto por mordomo. O Senhor Deus era com o moço hebreu, e Potifar é abençoado por isso. Vem a tentação; pela fidelidade a Deus, sofre injustiça e é lançado na prisão. No cárcere, o Senhor continuava com José e, mesmo lá, tudo o que fazia prosperava. Da prisão, sai para que, pelo Espírito de Deus, interprete os sonhos de Faraó e venha ser governador de toda a terra do Egito.

José, na casa de seu senhor egípcio, persevera no mesmo perfil de fidelidade e responsabilidade que tinha na casa de seu pai Jacó. Potifar percebe que o Senhor Deus era com o moço e o põe por seu mordomo. Sob a benção de Deus, Potifar prospera e, na total confiança depositada em José, já não sabia da extensão de seus bens, a não ser do pão que comia.

A formosura de José desperta o interesse da mulher de Potifar, que o assedia várias vezes. O jovem, numa demonstração de respeito a seu senhor e de temor a Deus, responde: “Como faria este mal e pecaria contra Deus?” Ainda assim, certo dia, após mais uma investida e rejeição de José, a mulher, de posse do vestido do varão hebreu, injustamente o acusa de assédio perante seu marido. Seu senhor o entrega à casa do cárcere, onde ficavam os presos do rei, e assim esteve em prisão com grilhões e ferro, conforme Sl 105.18.

Mesmo na prisão, o Senhor estava com José e o prosperava. O carcereiro-mor confiou a ele todos os presos, de sorte que não tinha cuidado de nenhuma coisa que estava em suas mãos. Após pecarem contra Faraó, o copeiro e o padeiro são enviados à prisão e, sob a supervisão de José, ali estiveram por muitos dias. Na prisão, os servos do rei têm sonhos, que são interpretados por José. Após três dias se cumprem os sonhos conforme a sua interpretação – o padeiro é enforcado, e o copeiro restaurado a seu antigo trabalho diante do rei.

Após dois anos, Faraó tem dois sonhos, o sonho das sete vacas magras que devoravam sete vacas gordas, e depois o sonho das sete espigas cheias e boas que eram devoradas por sete espigas feias e miúdas. O copeiro lembra-se de José, que é chamado a interpretar os sonhos de Faraó, visto que os sábios e adivinhos do rei do Egito não o podiam. Os sonhos têm uma mesma interpretação – sete anos de fartura sucedidos por sete anos de fome. Após a interpretação, atribuída a Deus por José, Faraó é aconselhado por José mesmo, que se provesse de um administrador sábio e entendido que ajuntasse nos bons anos para provimento nos anos de fome.

Faraó, assim como Potifar, reconhece que em José havia o Espírito Deus em sabedoria e entendimento, honra-o e o coloca por governador de toda terra do Egito. O rei lhe dá o nome de Zafenate-Paneia, que significa “salvador do mundo”. José se casa, tem o primeiro filho, ao qual chamou de Manassés, porque disse: “Deus me fez esquecer de todo meu trabalho e da casa de meus pais”; tem então o segundo filho, e o chama de Efraim, porque disse: “Deus me fez crescer na terra de minha aflição”. Os nomes de seus filhos são bem significativos em relação a sua história.

Após os sete anos de fartura, vieram os sete anos de fome como José tinha dito; e de todo e Egito e das terras vizinhas vinham a José para poderem comprar mantimento.

Apesar de toda adversidade, José manteve-se íntegro, responsável e fiel ao Deus de seus pais. Deus sempre o amparou, dispensando Sua graça em sabedoria, entendimento, dons e grande capacidade administrativa que já desde a casa de seu pai se evidenciavam. Por último, como figura do Senhor Jesus, salva a muitos, alimentando-os com pão.


Texto cedido por: EBD – 4º. Trimestre de 2016 ASSEMBLÉIA DE DEUS MINISTERIO GUARATINGUETÁ-SP
“Os Patriarcas, de Abraão a José”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário