sábado, 17 de fevereiro de 2018

Cristo, autor de uma nova aliança.






Todas as alianças registradas nas Escrituras apontavam para Cristo; contudo, referiam-se a uma realidade que ainda haveria de se cumprir. Algo pode ser muito bom durante determinado tempo, perdendo depois a validade. A nova aliança é o próprio cumprimento de todas as promessas e, por isso mesmo, tem valor e importância superiores. É o que veremos na lição de hoje, essa realidade em Cristo, o autor dessa nova aliança.

Logo de início nos é afirmado que temos “um sumo sacerdote tal”, enfatizando mais uma vez a singularidade de Cristo como Sumo Sacerdote, destacando-o e diferenciando-o dos sumos sacerdotes comuns, frágeis, mortais, da Antiga Aliança. A palavra “tal”, aqui, evidencia a incapacidade das palavras humanas para descrever a grandeza de Cristo. Ainda, é enfatizado que Ele está “assentado nos céus à destra da Majestade” (cf. 1.3; 10.12 e 12.2), indicando que Cristo, como Sumo Sacerdote perfeito, realizou Sua obra de tal forma que tem o direito de assentar-se no Seu trono, ao lado direito do Pai. O fato de estar assentado sugere Sua condição real: Ele se assenta como rei em contraste com os sacerdotes do velho sistema que ficam de pé oferecendo seus sacrifícios diários e ineficazes (10.11). Nos céus, Cristo ocupa a posição de mais alta honra: “à direita de Deus” (Mc 16.19). Ele é o único Ser que tem essa posição de extremo destaque nos céus. Tal verdade nos é transmitida para que saibamos que o nosso Mediador não é um ser celeste qualquer, mas aquele que tem posição de honra, única e destacada, diante de Deus. As nossas orações são levadas a Ele, que por nós intercede junto ao Pai. É, ainda, descrito que Jesus é: “ministro do santuário e do verdadeiro tabernáculo” (v. 2). Nos céus, o verdadeiro tabernáculo, fundado pelo Senhor, e não por homem, Jesus, como Sumo Sacerdote constituído por Deus, continua a executar seu ministério como nosso mediador, intercessor, advogado e Sumo Sacerdote perante o Pai, pois entrou, uma vez por todas, no Santo dos Santos (Rm 8.34b; Is 64.4; 1 Jo 2.1, 2). É ressaltado que o tabernáculo no deserto, o sacerdócio e a Lei serviam de “exemplar e sombras das coisas celestiais” (9.9, 23; 10.1; Cl 2.17). O templo terrestre era um “modelo” do verdadeiro templo de Deus, o culto terrestre era um reflexo remoto da verdadeira adoração e o sacerdócio terreno era um esboço, e não pode conduzir os homens à realidade. Mas Jesus pode conduzi-los à realidade. Seu sacerdócio verdadeiro é o único que pode tirar os homens deste mundo de “sombras” para levá-los ao mundo das realidades eternas.

Na terra, Jesus foi mais do que um sacerdote, Ele foi o “cordeiro de Deus”, oferecendo-se a Si mesmo como holocausto, entregando Sua vida em nosso lugar (cf. Jo 10.15, 28). Agora, Ele exerce as funções sumo sacerdotais lá no céu: “alcançou Ele ministério tanto mais excelente” (v. 6; cf 1.4), maior que o realizado por todos os sacerdotes e sumo sacerdotes terrenos da Antiga Aliança. Uma aliança ou pacto é um contrato, uma concordância formal entre duas ou mais partes e na presença de um mediador. Em um pacto, um lado promete fazer certas coisas sob condições de que a outra parte concorde em fazer outras. No Antigo Pacto, vemos Deus de um lado, o povo de Israel de outro e o mediador era o sacerdote ou o sumo sacerdote. Deus oferecendo salvação e requerendo do povo obediência irrestrita. A Antiga Aliança foi proposta e estabelecida por Deus, os sacerdotes fizeram seu trabalho, mas fracassaram, pois foram mediadores deficientes e falhos. O lado humano, representado por Israel, arruinou-se apostatando: “como não permaneceram naquele meu concerto” (v. 9; Ex 32.1-8). Mas Deus, por sua infinita misericórdia, proveu-nos um novo e melhor concerto, “confirmado em melhores promessas” (v. 6), através da mediação de Cristo (v. 6). O autor declara: “se aquele primeiro fora irrepreensível, nunca se teria buscado lugar para o segundo” (v. 7). Mas o fato é que a aliança não levou ninguém a um andar íntimo com Deus. É reconhecido que a falha não estava na aliança e, sim, no povo. Não viviam em plena obediência ao 14 Senhor. O resultado foi que Deus acabou rejeitando a nação judaica como Seu povo especial: “Eu para eles não atentei, diz o Senhor” (v. 9; Os 1.8, 9; Mt 23.37).

Jesus trouxe uma Nova Aliança, que se estabeleceu, não em atos exteriores, rituais, mas no interior do homem, no entendimento e no coração. Por isso, é um melhor concerto. Observemos alguns aspectos desse “novo concerto”. As Escrituras já se referiam a este tempo ao dizer: “eis que virão dias”; assinalando que a antiga aliança de modo algum era perfeita (Jr 31.31-34). Esta aliança não só seria nova, pois o antigo concerto estava “envelhecido” (v. 13), mas também por ser considerada qualitativamente superior por causa de seu alcance; ela uniria aqueles que estavam divididos – “a casa de Israel” e “a casa de Judá”, eliminaria os cismas e faria com que os antigos inimigos achassem a unidade; além de ter uma abrangência universal, alcançaria todos os homens – sábios e ignorantes conheceriam a Deus, desde o menor até o maior (v. 11). Já não existiria uma classe especialmente privilegiada. O aspecto fundamental desse novo concerto está na afirmação: “porei as minhas leis no seu entendimento e em seu coração as escreverei” (v. 10). A antiga aliança dependia da obediência a uma Lei que se impunha externamente, porém a nova aliança se torna superior, pois somente o Senhor tem o poder de fixar os seus mandamentos nas nossas mentes e escrever na tábua dos nossos corações. Para expressá-lo de outra maneira, os homens obedeceriam a Deus não mais pelo medo ou o castigo, mas sim porque o amavam; não porque a Lei ordenasse fazê-lo forçosamente, mas sim porque o desejo de obedecê-lo estaria escrito em seus próprios corações. Por fim, o resultado dessa aliança é o perdão dos nossos pecados: “serei misericordioso para com as suas iniquidades e de seus pecados e de suas prevaricações não me lembrarei mais” (v.12). A nova relação se baseia inteiramente no amor de Deus. Sob a antiga aliança o homem só podia manter esta relação com Deus obedecendo à Lei, quer dizer, mediante seu próprio esforço. Agora, pelo contrário, tudo depende não do esforço do homem, mas sim da graça, do amor e da misericórdia de Deus. A nova aliança coloca os homens em relação com um Deus que é ainda o Deus de justiça e amor (Jo 3.16-18).


 No passado Deus sempre providenciou um modo de o homem se relacionar com Ele, mesmo tendo o pecado feito a separação. Para isso, foram determinados os sacrifícios. Esse passado não era um fim em si mesmo, apontava para Cristo, maior, melhor e eterno. Esse passado não deve ser mais revivido – isso significaria rejeitar toda a obra de Cristo. É Ele quem perdoa efetivamente os pecados, segundo suas conquistas, tendo sido o último, perfeito e suficiente sacrifício, numa nova e eterna aliança.






* Texto cedido por: EBD – 1º. Trimestre de 2018


EPÍSTOLA AOS HEBREUS 

ASSEMBLÉIA DE DEUS 
MINISTÉRIO GUARATINGUETÁ-SP

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Qual é a nossa situação após a morte?






Há um entendimento que depois da morte, no entender de muitos religiosos e até mesmo teólogos, a pessoa vai ao céu, onde Deus está e habita, lugar de vida, vida eterna.

Essa suposta criatura vai para o céu, principalmente se era um ser humano bom, fazia boas obras, etc.

Caso contrário, foi/vai para o inferno, local dos mortos, ausência dEle, que é o criador e sustentador da vida.

Entretanto a Palavra esclarece que ninguém foi ao céu, senão aquele que desceu de lá, o filho de Deus, que está no céu.

Na verdade, ao ser retirado o espírito de vida, o homem volta ao pó, contudo a filosofia diz que somos corpo, alma e espírito.

Bom aí já está uma controvérsia entre um parecer de Deus e como a filosofia quer nos representar, com alguns enfeites.

Quando o Senhor fez os animais a definição bíblica para eles também foi igual ao homem: alma vivente.

O sábio Salomão também está dentro do principio da mensagem inicial do Altíssimo no livro do Gênesis, dizendo que a vantagem dos homens sobre os animais é nenhuma, todos são pó e ao pó tornarão, concluindo, disse: quem disse que o fôlego de um sobe e do outro desce?
  
  

* Esse texto é apenas um pequeno recorte de uma mensagem mais ampla sobre o que acontece depois da morte. Segue abaixo o link para acesso ao vídeo que contém o estudo completo sobre o tema.






quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

O superior sacerdócio de Cristo.




No término da aula anterior vimos a afirmação de que Jesus foi constituído sumo sacerdote para sempre segundo a ordem de Melquisedeque. Nesta aula, veremos que Melquisedeque foi um verdadeiro adorador, no meio de uma geração idólatra e corrompida. Exerceu o papel de rei e sacerdote, sem fazer parte da linhagem de Israel. Sua ordem sacerdotal, com aspectos peculiares, tornou-se um tipo do sacerdócio de Cristo, que em tudo, é superior a todas as ordens sacerdotais.

A partir do relato de Gênesis 14.18-20, o autor extrai ensinamentos importantes da vida de Melquisedeque para que seus leitores compreendam a grandeza do ofício sacerdotal de Cristo. O nome Melquisedeque significa literalmente “rei de justiça”, e é apresentado como o rei de Salém, que quer dizer: “rei de paz”. É acrescido ainda que ele era “sacerdote do Deus Altíssimo”. Portanto, o objetivo de seu reino era promover a paz através da justiça divina. Percebe-se que, ao contrário do ofício de Arão, cuja continuidade era assegurada hereditariamente, diz se a respeito de Melquisedeque: “sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida” (v.3). O fato das Escrituras não registrarem o seu nascimento ou a sua morte em parte alguma é tomado pelo autor como símbolo de um sacerdócio eterno. (Jr 23.5,6; Ef 2.14 - 18).

Sabe-se que a Lei deu início, ensinou princípios básicos, despertou impulsos, prenunciou e indicou o caminho; mas lhe era impossível propiciar uma verdadeira comunhão com Deus, por ser dada a homens fracos (Rm 7.12,14). Somente Cristo oferece “uma melhor esperança” pela qual podemos chegar a Deus. O que antes era figura e privilégio apenas de uma classe, hoje, por intermédio de Jesus Cristo, tornou-se privilégio aberto a todos. Agora, os cristãos são sacerdotes e têm acesso individual a Deus (1 Pe 2.5,9).

Em seguida, o autor apresenta os argumentos que demonstram a grandeza de Melquisedeque, portanto, a superioridade do sacerdócio de Cristo. Ao encontrar Melquisedeque, Abraão sabia muito bem que estava diante do sacerdote do Deus Altíssimo, por isso, reverencia-o com os dízimos de tudo (v. 4-6). Os sacerdotes levíticos recebiam o dízimo de seus irmãos judeus como sendo uma prescrição legal, mas Melquisedeque recebeu o dízimo de Abraão por um direito pessoal que Deus lhe concedeu. O autor lembra que o menor é abençoado pelo maior; Melquisedeque abençoou o patriarca Abraão, assim é evidenciada a superioridade do sacerdote sobre Abraão, aquele que tinha as promessas de Deus (v 6, 7). É destacado que o sacerdócio de Melquisedeque tem precedência sobre o de Levi, porque a morte não tem poder sobre ele (v. 8-10).

Nesta seção, o autor argumenta que, se o sacerdócio segundo Arão tivesse completado a função de levar aos homens à presença de Deus, então, não seria necessário que se levantasse um outro sacerdócio (v. 11, 12). Assim, a Lei e o sacerdócio levítico estão “envelhecidos” pelo estabelecimento do novo sacerdócio de Jesus Cristo que é eterno e que garante aos homens pleno acesso a Deus.

De um lado temos o sacerdócio perecível, ligado a um mandamento carnal, que não levava em conta a disposição do indivíduo ou o grau de sua vontade de servir, pois ele se tornava sacerdote unicamente por causa da hereditariedade. Pelo outro, a manifestação do novo sacerdócio que é segundo “a virtude da vida incorruptível”, uma referência à ressurreição de Jesus, seu triunfo sobre a morte.

Sabe-se que a Lei deu início, ensinou princípios básicos, despertou impulsos, prenunciou e indicou o caminho; mas lhe era impossível propiciar uma verdadeira comunhão com Deus, por ser dada a homens fracos (Rm 7.12,14). Somente Cristo oferece “uma melhor esperança” pela qual podemos chegar a Deus. O que antes era figura e privilégio apenas de uma classe, hoje, por intermédio de Jesus Cristo, tornou-se privilégio aberto a todos. Agora, os cristãos são sacerdotes e têm acesso individual a Deus (1 Pe 2.5,9).

Nesta seção, o autor sublinha que nada foi destinado além do sacerdócio de Cristo para nossa salvação, pois não existe nada superior a Ele. A garantia que o cristão tem de um “melhor concerto” e que não será anulado é aquele cujo “fiador” é o próprio Jesus (v. 20-22).

É necessário recordar que o sacerdócio arônico era composto de centenas de sacerdotes, que se sucediam constantemente, visto que “pela morte eram impedidos de permanecer”. Eles apenas intercediam pelos homens a Deus, mas não os salvavam. Jesus, nosso Sumo Sacerdote, não só “vive sempre para interceder” por nós, como nos assegurou uma perfeita salvação por Seu intermédio. E só em Jesus temos salvação plena, sem depender de um suposto purgatório ou de uma hipotética reencarnação (Rm 8.33, 34; Jo 5.24; 14.6).

O sacerdote levítico tinha que ser santo, separado, consagrado e até mesmo nas suas vestes (vv. 26-28; Êx 28.2; 29.29). Contudo, eram homens falhos, imperfeitos, sujeitos ao pecado. Jesus, nosso Sumo Sacerdote, é santo no sentido pleno da palavra. Ele era inocente porque nunca pecou e não tinha qualquer culpa. A Lei determinava que o cordeiro para o holocausto deveria ser sem mancha, assim, Jesus não tinha qualquer mancha moral ou espiritual, ele era o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo (Ex 12.5, 6, Jo 1.29). É ainda salientado que Jesus viveu entre os homens, comeu com eles, inclusive nas casas de pessoas de baixa reputação, porém não foi pecador. Ele não se deixou influenciar pelo comportamento dos homens maus. Como recompensa do seu trabalho, foi “feito mais sublime do que os céus”. O autor ainda declara que: “isso fez ele, uma vez, oferecendo-se a si mesmo” (v.27).  Jesus, por ser sem pecado, não precisou fazer isso por si. Tão somente ofereceu-se num sacrifício perfeito, uma só vez, por nós pecadores.

O autor salienta que “a lei constitui sumos sacerdotes a homens fracos, mas a palavra do juramento, que veio depois da lei, constitui ao Filho, perfeito para sempre”. O Filho de Deus é este Sumo Sacerdote, Sua perfeição foi coroada e selada pela sua exaltação ao céu. Ele é o único sumo sacerdote capaz de qualificar outros a fim de que estes também possam apresentar-se diretamente diante de Deus (Ap 5. 6-10).


Nesta lição verificamos que, em todos os aspectos o sacerdócio de Cristo segundo a ordem de Melquisedeque é superior ao sacerdócio da antiga aliança. Com isto, devemos ser gratos a Deus por fazermos parte de sua linhagem espiritual.





* Texto cedido por: EBD – 1º. Trimestre de 2018


EPÍSTOLA AOS HEBREUS 

ASSEMBLÉIA DE DEUS 
MINISTÉRIO GUARATINGUETÁ-SP

domingo, 4 de fevereiro de 2018

Davi, reinando em Israel.





Após a morte de Saul, Davi consulta a Deus e ele vai para Judá, a tribo de seus irmãos e parentes. Uma grande guerra, por sete anos e meio, acontecia entre a casa de Saul e a casa de Davi, porém o Senhor confirma o reinado do seu ungido.

Os filisteus, eternos inimigos, novamente entram em guerra contra Israel, mas o Altíssimo sempre o orienta em tudo e o rei segundo o coração de Deus sai vitorioso em mais uma peleja.

Ele pretende colocar a arca em Jerusalém, mas desiste devido às contrariedades que aconteceram devido à falta de se ter uma precisão na execução das coisas divinas. Entretanto entende que a forma correta deveria ser trazer a arca nos ombros dos coatitas e conduziu a arca para Jerusalém, coberta de véus e pele de animais, um símbolo de uma realidade maior nos céus.


* Esse texto é apenas um pequeno recorte de uma mensagem mais ampla sobre a vida do Rei Davi. Segue abaixo o link para acesso ao vídeo que contém o estudo completo sobre o tema.






quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

A maturidade e perseverança na fé.







Esta lição tem por objetivo expressar a importância do crescimento espiritual para todos os cristãos e exortar a manterem-se firmes diante de Deus, além de alertar sobre o perigo terrível de apostasia e não deixarem-se levar por qualquer vento de doutrina.

O autor inicia esta seção reconhecendo que o assunto apresentado anteriormente – o sacerdócio de Cristo – é de “difícil interpretação” para seus leitores, pelo fato de, ao longo dos anos, eles se terem feito “negligentes para ouvir” a mensagem do Evangelho (v. 11). Os destinatários da epístola em apreço eram ainda “meninos” e necessitavam de “leite, e não alimento sólido”; pelo tempo de crentes, já deveriam ser “mestres”, enquanto, na realidade, careciam de instrução elementar. Eram imaturos e não estavam preparados para se aprofundarem nas riquezas insondáveis que há em Cristo (1 Co 2.6; 3.2; Ef 4.13-14; 1 Pe 2.1-2).

O autor encoraja seus leitores a alcançarem a maturidade tão desejada: “prossigamos até a perfeição”. Essa expressão se refere a um ensinamento mais avançado, para doutrinas como a natureza do sacerdócio de Cristo, que eles mal compreendiam. Precisavam adiantar-se mais, em direção a verdades cristãs mais avançadas do que aquelas às quais estavam habituados. E ele, o escritor, não tem intenção de voltar às verdades elementares da fé (Hb 6.1-2).

Estes versos são uma severa advertência aos que um dia abraçaram a fé cristã e pensam em desistir. O autor torna isto ainda mais claro descrevendo, cláusula após cláusula, a sua condição. Primeiro, eles “já foram iluminados”. Sem dúvida remonta à figura de Jesus como a luz que ilumina a todo homem que vem a este mundo (Jo 1.9). A luz do evangelho brilhou sobre eles e vieram a ter “conhecimento da verdade” (cf. 2 Co 4.4, 6). É salientado ainda que eles “provaram o dom celestial”, isto é, eles tiveram uma profunda experiência de salvação, incluindo o perdão de pecados, e gozaram de todas as bênçãos espirituais em Cristo (Hb 8.12; Ef 1.3). Ainda é enfatizado que os cristãos “se fizeram participantes do Espírito Santo” (1 Co 12. 13).

Ao lembrar seus leitores das maravilhosas experiências da conversão, o autor sublinha a tragédia da queda do favor divino. A impossibilidade de arrependimento referida pelo escritor diz respeito a crentes que, mesmo providos das experiências mencionadas acima, abandonam a Cristo, renegando-o de modo deliberado. Trata-se de uma pessoa que chegou a um estágio tal de desvio, que sua consciência encontra-se cauterizada (1 Tm 4.1, 2), ficando insensibilizado a qualquer advertência por parte do Espírito Santo. O apóstata é então como o campo que produz espinhos e está destinado a ser queimado (cf. Mt 13.30; Jo 15.6).

Após apresentar um quadro sombrio nos versos 4-8, o autor faz uma pausa e assegura a seus leitores que não os considera apóstatas. Ele demonstra sua afeição pelos leitores ao chamá-los de “amados”. É porque os ama que fala com tanta  severidade. A confiança do autor nos seus leitores tem uma base dupla: seus atos de generosidade e o caráter do próprio Deus. Eles tinham provado o seu amor de maneira especialmente prática, servindo aos companheiros cristãos, partilhando de suas aflições (Hb 10.33-36). Além disso, o autor tinha confiança em Deus. Ele sabia que, sendo Deus justo, não poderia mostrar-se injusto, esquecendo-se de recompensar os que agiram retamente.

O propósito desta seção é demonstrar que as promessas de Deus são seguras e imutáveis. Deus fez promessa a Abraão e, como não tinha alguém maior por quem jurasse, jurou por si mesmo, prometendo abençoá-lo e multiplicá-lo na terra, ainda que sua esposa fosse estéril. E o patriarca alcançou a bênção, porque esperou com paciência.

Deus quis mostrar a “imutabilidade de seu conselho aos herdeiros da promessa”, fazendo um juramento. Certamente Deus não precisa jurar, mas para que os homens não tivessem dúvida, Ele “se interpôs com juramento”. O escritor enfatiza que “é impossível que Deus minta” e, por isso, devemos “reter a esperança proposta...” (Nm 23.19; Tt 1.2; 2 Tm 2.11-13).


Aqueles que têm a experiência gloriosa da salvação precisam cuidar-se para não caírem no engano do Diabo. É indescritível o prejuízo de quem apostata da fé, negando a eficácia do sangue de Cristo para a salvação dos pecadores.




* Texto cedido por: EBD – 1º. Trimestre de 2018


EPÍSTOLA AOS HEBREUS 

ASSEMBLÉIA DE DEUS 
MINISTÉRIO GUARATINGUETÁ-SP