terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

A sunamita e o profeta Eliseu I.


“Sucedeu também um dia que, indo Eliseu a Suném, havia ali uma mulher importante, a qual o reteve para comer pão; e sucedeu que todas as vezes que passava por ali entrava para comer pão.” 2 Rs 4.8

“E ela disse a seu marido: Eis que tenho observado que este que sempre passa por nós é um santo homem de Deus.” 2 Rs 4.9

“Façamos-lhe, pois, um pequeno quarto junto ao muro, e ali lhe ponhamos uma cama, uma mesa, uma cadeira e um candeeiro; e há de ser que, vindo ele a nós, para ali se recolherá.” 2 Rs 4.10

No segundo Livro dos Reis, no capítulo 4 e versículo 8 ao 36, a Bíblia relata um episódio entre uma sunamita e Eliseu. Ela mostrou-se hospitaleira com o profeta, oferecendo pão. (Vs. 8)

Observou também que ele era um homem de Deus e sugeriu a seu marido fazer um pequeno quarto, dando assim melhores condições a Eliseu. (Vs. 9 e 10)

No texto não vemos nenhum diálogo entre os dois. Então, o casal concordou que o profeta era um servo de Deus pelo seu testemunho – as ações testificaram... No sermão do monte, no capítulo 7 e versículo 20 do evangelho segundo Mateus, Jesus afirmou que “pelos frutos conhecereis a árvore”.  

Um dia, Eliseu foi até Sunem e ficou hospedado ali (Vs. 11). Ao ver todo aquele desvelo, mandou chamá-la e perguntou se poderia fazer alguma coisa por ela. Mas ela disse que não necessitava. (Vs. 12 e 13) Geazi porém, notou que ela não tinha filhos e o seu marido era velho. Eliseu a chamou e disse que teria um filho e assim aconteceu. (Vs. 17 e 17)

“Quem recebe um profeta em qualidade de profeta, receberá galardão de profeta; e quem recebe um justo na qualidade de justo, receberá galardão de justo.” Mt 10.41

“E qualquer que tiver dado só que seja um copo de água fria a um destes pequenos, em nome de discípulo, em verdade vos digo que de modo algum perderá o seu galardão” Mt 10.42

A promessa de Deus para Abraão, no capítulo 12 do livro de Gênesis, no versículo 3, parte A: “E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem...”, mostra claramente também a importância de tratarmos bem nossos irmãos, “filhos de Abraão pela fé”. A sunamita deixou um exemplo de como tratar os servos de Deus. Se fizermos como ela, seremos abençoados, pois é na comunhão que o azeite desce...

 “Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união!
É como o óleo precioso sobre a cabeça, que desceu sobre a barba, a barba de Arão, que desceu sobre a gola das suas vestes;


Como o orvalho de Hermom, que desce sobre os montes de Sião; porque ali o Senhor ordenou a bênção, a vida para sempre.” Sl 133

Nenhum comentário:

Postar um comentário