quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Os primeiros selos do Apocalipse.



No seu capítulo 6, do livro da revelação, temos a abertura dos selos e o primeiro selo fala de um cavalo branco trazendo mais um desígnio divino. Em comum com o Salmo dois, Deus já colocou o seu ungido e decretou: “recitarei o decreto, tu és meu Filho...”. Tudo está entregue a Jesus? Sim. 

O princípio de tudo é que em Cristo Jesus está a primazia. E vem a orientação do salmista: “beijai o Filho...”

Outro Salmo também continua a revelação:” cavalga prosperamente pela causa da verdade”.

No segundo temos outro cavalo, agora vermelho e ao que estava assentado sobre ele foi dado que tirasse a paz da terra. Quem não aceita a soberania divina, o príncipe da paz estará sujeito a males diversos...

 O ímpio não tem paz!

No terceiro fala de limitações na face da terra, mas existe uma ordem para não danificar o azeite e o vinho.  Ele derramaria em abundância do seu Espírito...

No quarto temos mais adversidade àqueles que não se submetem ao reinado do Filho. (beijai o Filho...)

Já no quinto temos almas debaixo do altar. Estão na lembrança dEle os que passaram desta vida aprovados por Ele? Sim. Uma saudade dos seus? Sim. Ele não fez justiça imediata aos seus desde Abel, Estêvão.etc

 Quer o aprimoramento de todos do corpo? Sim, certamente.

Vidas que foram apresentadas como sacrifício vivo no altar dEle como explicado no livro dos levitas no capítulo 6 e versos 10 e 11.

E o sexto selo, o que é? O fim do mundo com a justiça final. Mas, o que é o fim do mundo? “O céu retirou-se como um livro...” - um abalo total no planeta.



Pois é...

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

A corte celestial.


No livro do Apocalipse, a revelação de Deus dada ao apóstolo João, no capítulo 4, temos a descrição da corte celestial. 

Relata a existência de um arco celeste e vinte e quatro tronos, com vinte e quatro anciãos ao redor do trono dEle.

As conjecturas são várias, mas biblicamente não podemos dizer nada, pois não é revelado. Mas é certo que ao redor dEle tem muitos que o assistem.

O profeta Ezequiel também viu a glória de Deus. Faz menção no capítulo 1 e verso 26 em diante do seu livro.  O aspecto divino na sua visão era como o aspecto do fogo como também viu o profeta Daniel.

No meio do trono e ao redor dele quatro seres viventes, cheios de olhos. Faculdade para verem tudo em volta na sua função de servir a Deus. 

No verso dez do primeiro capítulo de Ezequiel mostra mais claramente que estes quatro seres viventes, cada um tinha quatro rostos. Nos versos 15 e 20 do capítulo 10, o profeta os reconhece como querubins.

Ah, lá não tinha mais nenhuma exaltação, pois todos prostravam-se diante do Cordeiro e o adoravam.



Pois é...

sábado, 4 de fevereiro de 2012

A mulher de Potifar.



No livro do Gênesis, capítulo 39, conta a história da passagem de José pela casa de Potifar, capitão da guarda do exército de Faraó.

Ele administrava os bens do ilustre egípcio, até que sua mulher imputa falsamente a José uma conduta desonesta. Contudo, ele apenas tinha rejeitado mais uma de suas propostas ilícitas.

Mas, o interessante é que quem “gritou” foi ela e Potifar a ouviu. O filho de Raquel apenas deixou sua veste na mão dela e fugiu.

Entretanto, quem estava com a razão era o jovem hebreu e Deus continuou a estar com ele na prisão.  

Ela disse: “entrou até mim para deitar-se comigo, e eu gritei com grande voz.” 

Ela ganhou essa disputa literalmente no grito e com uma veste como prova, cujo dono trabalhava na casa.

O eunuco de Faraó perdeu um grande empregado, pois o Senhor o abençoava em tudo e foi precipitado e injusto no seu julgamento.

Nos nossos relacionamentos tem sempre alguém “gritando”, reclamando de algo ou alguém. Será que estamos discernindo a verdade ou dando ouvidos a quem “grita primeiro” sem um devido aprofundamento?


Pois é...