segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

O estabelecimento do sábado.


"E foi a tarde e a manhã: o dia primeiro.” Gn 1.5B
"... e foi a tarde e a manhã: o dia segundo.” Gn 1.8B
"E foi a tarde e a manhã, o dia terceiro.” Gn 1.13
"E foi a tarde e a manhã: o dia quarto.” Gn 1.19
"E foi a tarde e a manhã: o dia quinto.” Gn 1.23
"... e foi a tarde e a manhã: o dia sexto.” Gn 1.31B


"ASSIM os céus, a terra e todo o seu exército foram acabados. E havendo Deus acabado no dia sétimo a obra que fizera, descansou no sétimo dia de toda a sua obra, que tinha feito. E abençoou Deus o dia sétimo, e o santificou; porque nele descansou de toda a sua obra que Deus criara e fizera. "Gn 2. 1 a 3


Nestes versículos do primeiro livro da bíblia temos a descrição dos primeiros dias da criação.  Nota-se que, nos versículos acima citados, Deus delimita o período de todos os dias, com início e fim, tarde e manhã - respectivamente, mas quando relata o dia do sábado, nós não identificamos esta limitação. Então, por que não é dito "e foi a tarde e a manhã o dia sétimo, como nos outros seis dias primeiros?


Deus relata o sábado só com um início e não com um fim, mostrando-nos também que ele é um dia de descanso. O que seria este descanso?


No capítulo 20 do livro do Êxodo, versículo 8, Deus ao entregar os dez mandamentos também ressalta a lembrança do dia do sábado para que o santifiquemos – então sábado além de descanso é um dia santo.


Já no livro do profeta Isaías, no capítulo 58 e versículo 13, descreve o sábado como o dia no qual não podemos fazer a “nossa vontade”, nem de falar as “nossas próprias palavras” e lembra-nos que ele é um dia que devemos “honrar”.


O evangelista Marcos, no capítulo 2, no versículo 23 ao 28, relata um episódio no qual os fariseus estavam criticando os discípulos de Jesus por estarem colhendo espigas para comer, tendo como entendimento que no sábado não se podia trabalhar, inclusive este pensamento ainda tem alguns seguidores.


Mas Jesus concordou com essa ideia? Não! Ele respondeu que o sábado foi feito por causa do homem, e não o homem, por causa do sábado. Então, o entendimento não é desta forma.


Como seria então? Na epístola de Paulo aos colossenses, no texto abaixo descrito, o apóstolo exorta-nos a não julgarmos as pessoas pelo comer, beber... e por fim citou o sábado e no versículo após, ele nos ensina que o sábado é uma “sombra” das coisas futuras.   


“Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados, Que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo.”        Cl 2.16-17

 Relembrando: o sábado então é sombra, descanso, dia santo, não devemos fazer a nossa vontade e devemos honrá-lo.  Em Hebreus no capítulo 4 e versículo 3, o escritor aos hebreus relata que quem crê em Deus, entra no seu repouso, e no versículo após, o versículo 4 deste mesmo texto, ele faz referência ao dia do sábado e nos seguintes exorta-nos para que entremos nele. Igualmente, cita outros que não entraram por causa da desobediência.  


Então, qual é o dia do Senhor, santo, dia de descanso. Seria a segunda, a terça ou a quarta-feira? Seria até mesmo o sábado? Não. É o dia no qual aceitamos as boas novas de salvação através de Jesus Cristo e assim entramos no seu repouso, que tem início, mas não tem fim.


Ele não é delimitado, pois é um dia eterno...





segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Saul e as jumentas.


E perderam-se as jumentas de Quis, pai de Saul; por isso disse Quis a Saul, seu filho: Toma agora contigo um dos moços, e levanta-te e vai procurar as jumentas.” I Sm 9.3.

Na procura das jumentas Saul passou por Efraim, terra de Salisa, terra de Saalim, terra de Benjamim. (Vs.4) 

“Passaram, pois, pela montanha de Efraim, e dali passaram à terra de Salisa, porém não as acharam; depois passaram à terra de Saalim, porém tampouco estavam ali; também passaram à terra de Benjamim, porém tampouco as acharam.” I Sm 9.4.

Já na terra de Zufe (Vs.5) Saul deseja voltar, mas o seu moço disse que naquela cidade tinha um homem de Deus – Samuel.

“Vindo eles então à terra de Zufe, Saul disse para o seu moço, com quem ele ia: Vem, e voltemos; para que porventura meu pai não deixe de inquietar-se pelas jumentas e se aflija por causa de nós.” I Sm 9.5.

Nos versículos 7 e 8 deste mesmo capítulo trava-se mais um diálogo entre Saul e o seu moço, a respeito de como compareceriam diante do profeta sem nenhum presente, mas o moço convenceu-o a ir relatando que ainda tinha um quarto de um siclo de prata.

Deus através das jumentas estava dirigindo Saul para ser ungido rei de Israel. Estamos discernindo os propósitos de Deus para nossa vida? Qual tem sido o nosso enfoque? Jumentas? Coisas materiais?

Tem muitas coisas que acontecem em nossas vidas: perdas, dores e desentendimentos - Deus pode estar direcionando futuramente para grandes bênçãos? Foi através da perda das jumentas que Saul teve um encontro com Samuel, não foi?

E aí, estamos discernindo o que se passa conosco?

No livro do Eclesiastes, no capítulo 3, a bíblia nos descreve que há tempo para todas as coisas, mas logo após no capítulo 8, ela diz que o coração do sábio discernirá... 

“... há tempo para todo propósito debaixo do céu:...” Ec 3.1 B
“... e o coração do sábio discernirá o tempo e o modo.” Ec 8.5 B


Discernir os propósitos de Deus para nossas vidas é necessário. Eles são maiores, mais altos e mais sábios que os nossos!




quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Enoque andou com Deus.

        
No primeiro livro da bíblia, no capítulo 5 e versículo 24, temos o relato de um homem e o escritor diz que ele "andou com Deus". Não se tem muitas referências a respeito dele, a não ser sua descendência – de Sete. Mas o que seria andar com Deus?
“E andou Enoque com Deus; e não apareceu mais, porquanto Deus para si o tomou.”

No salmo de número 15 temos uma pergunta relacionada: “SENHOR, quem habitará no teu tabernáculo? Quem morará no teu santo monte?” Quem andará com Deus?

E, abaixo, nos versículos seguintes, temos a resposta: “aquele que anda em sinceridade”,” justiça”, “verdade” (Vs. 1), “não difamador” (Vs. 2), “não avarento” (Vs. 5),” aquele que não muda a sua palavra por interesses diversos “(Vs. 4), etc.

No salmo de número 24 também temos outras perguntas relacionadas: “Quem subirá ao monte do SENHOR, ou quem estará no seu lugar santo?” Também semelhante a quem andará com Deus?

Logo após a resposta do salmista é bem enfática com mais características como: “limpo de mãos”, “puro de coração”, “não jura com engano”, “não vaidoso”, etc. (Vs. 4).

O profeta Isaías também profetizou a respeito deste assunto no capítulo 33 e versículo 14, com resposta também detalhada de características que com certeza Enoque possuía, bem como Noé que também recebeu o mesmo testemunho e Elias que foi trasladado.

“Andar com Deus” então é apresentar as características acima mesmo dentro de uma geração tão corrupta como a que foi tragada pelas águas do dilúvio.


Procurando uma aplicação pessoal desses registros, considerando o tempo atual, se neste dia Jesus trouxesse o fim do mundo, seria citação dEle a meu respeito? 


Hum...


segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Sansão: um herói da fé?



“Porque eis que tu conceberás e terás um filho sobre cuja cabeça não passará navalha; porquanto o menino será nazireu de Deus desde o ventre; e ele começará a livrar a Israel da mão dos filisteus.” Jz 13.5B


“Mas seu pai e sua mãe não sabiam que isto vinha do SENHOR; pois buscava ocasião contra os filisteus; porquanto naquele tempo os filisteus dominavam sobre Israel.” Jz 14.4


“Ora estava à casa cheia de homens e mulheres; e também ali estavam todos os príncipes dos filisteus; e sobre o telhado havia uns três mil homens e mulheres, que estavam vendo Sansão brincar.” Jz 16.27


“... e foram mais os mortos que matou na sua morte do que os que matara em sua vida.” Jz 16.30B


“E que mais direi? Faltar-me-ia o tempo contando de Gideão, e de Baraque, e de Sansão, e de Jefté, e de Davi, e de Samuel e dos profetas. Os quais pela fé venceram reinos, praticaram a justiça, alcançaram promessas, fecharam as bocas dos leões. Apagaram a força do fogo, escaparam do fio da espada, da fraqueza tiraram forças, na batalha se esforçaram, puseram em fuga os exércitos dos estranhos.” Hb 11.32-34


“(Dos quais o mundo não era digno), errantes pelos desertos, e montes, e pelas covas e cavernas da terra.” Hb     11.38


Sansão é um dos heróis da fé, separado por Deus antes de nascer, e relatado pelo escritor aos Hebreus no capítulo 11 daquela epístola. Será mesmo?


Pois ele é muito criticado, “atacado” por alguns pregadores e destacado como exemplo negativo pelos seus erros – pelo seu envolvimento com mulheres “estranhas” e seu “suposto” suicídio, que definitivamente são atos reprováveis biblicamente. 


Existe em alguns uma “facilidade” em destacar erros nos servos de Deus – até com certa alegria - como se fossem melhores ou como se não estivessem sujeito a isto também. Mas, “se esquecem” que a “missão dele” era começar a livrar a Israel das mãos dos filisteus – cativo a cerca de quarenta anos.  Fazendo-se uma análise mais criteriosa vemos no versículo 4 do capítulo 14 do livro dos Juízes, que aquilo vinha do Senhor. Por que não se destaca isto? Que Deus estava procurando ocasião contra os filisteus? Falar mal por falar ou querer tratar um assunto – por exemplo, jugo desigual - tendo como embasamento este texto é no mínimo inadequado. 


Continuando o raciocínio quanto às “críticas” ao juiz Sansão, agora quanto a sua morte. Primeiro lugar é claro biblicamente que nenhum suicida tem aprovação de Deus. Agora, se ele é “aprovado” lá na epístola aos Hebreus, e o espírito, o sentido e a verdade bíblica é uma só, então por que não enfatizarmos de outra maneira? Por exemplo – qual é a nossa chamada? Estamos dispostos a dar nossas vidas no cumprimento dela? Sansão estava e cumpriu como servo a sua tarefa. E nós estamos cumprindo a nossa ou nossa missão é “achar erros nos heróis da fé” em Sansão?
 

Pois é...