sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Os animais e os dez chifres revelados.


Pode-se ver esta sequência de impérios mundiais, no capítulo 7 do mesmo livro de Daniel, quando estes, na revelação, são representados por quatro animais e os chifres do quarto animal.  

Os animais são o Leão, o Urso, o Leopardo e o quarto sem uma fera que o representasse adequadamente e diferente de todos os animais e finalmente os dez chifres ou pontas. (vv. 2 a 7)

Os quatro animais e os dez chifres, respectivamente, são os cinco reinos representados nas cinco partes da estátua do capítulo dois de Daniel (vv. 17 e 24). 

O leão é o Império Caldeu de Nabucodonosor; os dez chifres resumem conclusivamente o quinto reino – os pés, mais precisamente, os dez dedos, as extremidades.

Os chifres, em número de dez, é um sistema final de governo de uma multiplicidade de reinos menores, soberanias desunidas – nações, algumas sendo destruídas, realidades do mundo atual, falsamente denominado globalização e que irá à destruição, pois se opõem a Deus (24 e 25), e o reino eterno é o de Deus (26,27).

Apesar de toda hostilidade e contrariedade o Domínio será entregue ao Filho do homem, JESUS, mostrado isto na gloriosa e poderosa visão (vv. 13, 14), e passará aos servos do Senhor, e este é o Reino Eterno de Deus.

Novamente quis Deus dar a Daniel mais detalhes sobre os reinos que estavam por vir e lhe mostra os segundo e terceiro reinos, agora representados, respectivamente, por um carneiro e um bode (cap. 8).  

O carneiro com duas pontas (chifres) investe contra animais do ocidente e do norte e do sul (4). Até que, em sequencia, vem do ocidente um bode com grande chifre, “como que voando” e prevalece sobre o carneiro (7).

A Daniel é enviado o anjo Gabriel com explicação de tudo. Não entrando em outros detalhes para não sairmos do objetivo, a explicação é que o carneiro é o reino Medo-Persa e o bode é a Grécia com seu primeiro rei (20 e 21). 

Definidos os segundo e terceiro reinos (Medo-Persa e Grego), e, por citação bíblica nos evangelhos e livros seguintes, o quarto reino ou Império é o Romano.

Há exposições em que se diz que o quinto reino será o Romano restaurado; a palavra nega isto, primeiramente ao colocar que é um reino dividido por causa do barro e ainda quando no verso Dn 7. 11 lemos: “Então, estive olhando... até que o animal - o 4º - foi morto, e o seu corpo, desfeito e entregue para ser queimado pelo fogo”, enquanto que os três reinos têm continuidade de vida (Dn 7.12); ainda permanecem através da influência de suas culturas: a cultura da Mesopotâmia, a medo-persa e a grega.

Reafirmamos o já dito: sendo a Palavra dada em revelação figurada é natural muitos questionamentos; aconselhamos nos determos, numa primeira aproximação, à mensagem principal que é dada. 

É importante essa compreensão desses reinos para depois se entender a revelação da besta do capítulo 13 e 17 do livro de Apocalipse, o que será estudado oportunamente. 

Mas a certeza, sempre revelada, é a vitória de Deus e de seu Cristo –JESUS – o Rei dos Reis e que o reino de Deus é eterno e não é deste mundo.


* Texto cedido por: EBD – Classe de Juvenis “Escatologia”.
4º. Trimestre de 2016 ASSEMBLÉIA DE DEUS MINISTERIO GUARATINGUETÁ-SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário