segunda-feira, 11 de novembro de 2013

O crescimento traz oportunidades.



      
No livro dos Atos dos Apóstolos, no capítulo 6, temos a constatação do crescimento do número de discípulos e uma murmuração no seio da igreja.


Possivelmente os doze escolhidos estavam muito ocupados e disseram: “Não é razoável que nós deixemos a palavra de Deus e sirvamos às mesas”.


As tarefas eram muito dignas, mas não eram as prioridades. O que uma comunidade precisa mais de um pastor? Oração e Palavra.


O dom, a chamada para pastorear, deve ser reconhecida pela comunidade cristã, e uma das características marcantes, além do exemplo, maturidade, comunhão e outras imprescindíveis: é o conhecimento e dedicação à Palavra? Sim.


Se assim não for, o que teremos? Ativismo religioso? Gestores ocupados em atingir metas? Provavelmente.


O crescimento traz oportunidades para que Ele desperte no meio dos seus, irmãos dispostos a auxiliarem na administração, nas finanças, nas leis, na construção? Sim.


A nobre e sublime ocupação pastoral muitas vezes pode exigir do clérigo estas atividades, mas ele nunca deveria se perder nelas? Sim.


Oremos, pois para que nossos pastores tenham o mesmo discernimento.


Pois é...




  

Nenhum comentário:

Postar um comentário