segunda-feira, 7 de março de 2011

Entendes tu o que lês?

Essa foi a pergunta de Filipe para o eunuco etíope que lia o livro do profeta Isaías, mas sem entender direito o sentido das palavras. Transfiramos, pois para nós: entendemos o que lemos?

Esse questionamento mostra-nos a importância do ensino e da evangelização. São dois braços que devem andar juntos para a salvação de almas e sua posterior edificação em Cristo através do ensino, mas gostaríamos de enfocar sobre qual tem sido o nosso esforço para compreendermos melhor os escritos sagrados. Temos procurado o conhecimento de Deus através da Bíblia como se busca a prata e como a tesouros escondidos como relata o texto abaixo?

“Se como a prata a buscares e como a tesouros escondidos a procurares, então, entenderás o temor do SENHOR, e acharás o conhecimento de Deus” Pv 2.4 e 5
               
Somos muitas vezes covardes e acomodados com o pouco que sabemos e não buscamos crescer no conhecimento. Usamos até mesmo versículos bíblicos (“As coisas encobertas pertencem ao SENHOR nosso Deus...”) para continuarmos estáticos no aprendizado e não clamamos como o salmista “desvenda os meus olhos, para que veja as maravilhas de tua lei”. (Sl 119.18)

E em outras ocasiões buscamos o conhecimento dEle no lugar errado, enquanto que o versículo 6 do capítulo 2 de Provérbios de Salomão, diz que: “ da boca do Senhor é que vem o conhecimento e o entendimento” e em outro lugar das Sagradas Escrituras diz que “a lei sairá de Sião”.  Não diz que o conhecimento viria dos concílios, se bem que de lá veio alguns ensinos inspirados por Ele. Nem de teólogos ou evangelistas, mas que viria de Deus, dEle próprio. "A unção do Santo nos ensina tudo" ou apenas alguns assuntos? Tudo.

Outra pergunta é se temos colocado à prova o que temos aprendido. Este é verdadeiramente o conselho de Deus? Ele continua respondendo os seus servos ou não tem prazer em nos responder em relação às diversas dúvidas? O conselho do apóstolo Paulo a Timóteo é para ele “manejasse bem a Palavra da Verdade”. Manejar bem é saber inclusive os detalhes, é estar aberto e pronto para aprender sempre...

Ainda dentro desta busca em se aproximar mais da vontade divina, não podemos também nos esquecer de que a "inspiração da Bíblia é plenária no sentido de que Deus colocou na mente dos santos escritores sagrados não só a ideia ou o conceito da mensagem recebida dEle, mas, além disso, guiou-os sobrenaturalmente na escolha das palavras". Quantos comentaristas com diversos interesses tentando “facilitar o entendimento da Palavra” e na verdade tem é se distanciado dos originais bíblicos, do sentido original, da essência (radical é ter ligação com as raízes)?

Quantas doutrinas ensinadas hoje em dia de maneira errônea - sendo que a bíblia apresenta apenas uma citação em um ou outro versículo e alguns constroem com “muita criatividade”, diga-se de passagem, uma doutrina. Pergunta-se: por que será que nem o apóstolo Paulo, um dos apóstolos que mais foi útil na história da Igreja no ensino e pregação, escreveu sobre alguns assuntos defendidos por muitos usando de maneira errônea, em confronto com a orientação bíblica, até conceitos de filosofia e outros? Será que Paulo se esqueceu de comentar esses assuntos? Se a inspiração é plenária, então os escritos são completos... Não basta o maná?

Na verdade falta temor para muitos, com orgulho enorme e sem a perfeita percepção das coisas de Deus, espalham suposições fantasiosas que são perecíveis, causando discórdias e desvios. Por que não buscam primeiro uma direção do Dono da Palavra?

Pois é...
  

Precisamos mais da graça, temor e comunhão com Ele para melhor entendermos a verdadeira herança divina que é a sua Palavra, crescermos no entendimento, entendermos o que estamos lendo, se é que estamos ainda lendo!

2 comentários:

  1. GOSTEI MUITO DO QUE LI BO SEU BLOG..QUE DEUS CONTINUE ABENÇOANDO..SEJA BEM VINDO NO MEU..
    http://butterflysnt.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Obrigado. Já sou seu seguidor...

    Em Cristo,

    Esdras

    ResponderExcluir