sexta-feira, 25 de maio de 2012

As idas e vindas da Escatologia.


            Desculpem-me a franqueza e falta de modéstia, mas pertenço a uma igreja local octogenária, vinculada a outra centenária.
 
            Desde 1935, segundo os registros oficiais, prega-se a mesma doutrina, entendendo que a Palavra é una e imutável. Gente, se alguém convencesse biblicamente e mostrasse algum equívoco na interpretação das Sagradas Letras, tudo bem. Entretanto, o que vejo, são dogmas gospels sendo espalhados por aí por atacado. Dizem alguns que os "nossos ungidos são mais infalíveis que os deles", citando outra igreja antiga. É verdade, quando um “ungido” infalível fala, precisamos abrir bem a boca e “engolir” tudo e depois ainda, se possível, falar algumas dúzias de línguas estranhas. Desculpe o ungido infalível, pois é redundante. A infalibilidade dos ungidos é questão indiscutível.
 
           Oitenta anos falando a mesma coisa não é mole não...
 
            Não se abre mais o Livro e convence pelo Espírito os ouvintes? Não.
 
            Pois é...
 
            Mas, falando um pouco de escatologia, o que noto são muitas mudanças na interpretação “oficial”. E algumas colocações são frontalmente contrárias à sã doutrina. Como um "bom pacificador", vou tentar entender algumas idéias escatologias presentes nos dias atuais no nosso meio.
 
            Essa questão de grande tribulação, terceira ou quarta vinda Dele. Se Ele vier eu quero ir logo, viu! E acredito que não vai sobrar nada, pois o apóstolo Pedro disse que a terra é um tesouro preparado para o fogo. O anticristo virá reinar aqui na terra, ai, Jesus! O mundo já não está no maligno?Sei não... O mal virá do norte e achavam que era a URSS, lembra disso? Ela que caiu sozinha, iria atacar Israel terrestre? Levavam tudo para o literal. Se o profeta Isaías visse o que estão fazendo com aquela profecia que o Espírito lhe deu... Do milênio? Sim. Outra coisa: os santos estão no céu no “seio de Abraão”? Nós não podemos crer em predestinação, mas os israelitas estão eleitos? E aquele versículo que diz que nem todo israelita é de coração? Já sei... a gente retraduz tudo, pronto!
 
             Vou tentar imaginar um meio de isso tudo ser verdade. Primeiramente precisamos arrumar uma bíblia atualizada pós-moderna para o pensamento gospel atual. Em Gênesis temos que modificar um pouco a questão do dilúvio. Quando Deus fechou a porta da arca, nós podemos modificar só um pouquinho. Calma irmão, é por uma boa causa! A grande tribulação virou nosso limbo. Ou será o purgatório news gospel? Não sei.
 
              Ah! Na parábola das dez virgens, se lembra? Aí vem o esposo e depois fechou a porta. Não vos conheço? Pára, pára! Vamos abrir aquela porta novamente. Só que as virgens sem azeite e outras que nem estão na parábola, vão ter que passar por uma academia para malhar um pouco! Que tal? Chique, não! Precisamos urgentemente de um reverendo pós-moderno para nos ajudar!
 
             Lembremos também que em Apocalipse, as pragas eram para os homens se converterem a Deus e eles não se aprumaram. O profeta também disse: “até quando te castigarei?”. Então meus amigos, castigo pode ser uma forma Dele chamar, mas não queiram afirmar que todo castigo, tribulação, aflição conduz o homem a Deus não, viu?
 
              Estava me esquecendo daquele versículo que nós iremos também excluir da nossa nova diretriz. “Ninguém subiu ao céu...” Colocaremos uma vírgula e acrescentaremos que pode ser que alguns apressadinhos já estejam lá! Pronto! Perfeito! Bingo!
 
               “Vixe” estava esquecendo outro: “na morte não há ciência, indústria,...”
 
             Rapaz, nada como um “pacificador“ para resolver as coisas, não? E olhe que nós ainda nem falamos de divórcio, segundo e terceiro casamento... Oséias, isto é nome de um profeta? Desconheço. Tem uma religião antiga aí que nomeia comissões para se analisar cada pedido de divórcio e costuma ser muito difícil de sair alguma autorização. E alguns a chamam de Babilônia. E nós, vamos nos chamar de quê? Mas nós estamos na frente...Está cada vez mais crescendo o movimento gospel! Sobre Babilônia? Falamos depois...pode ser?
 
            Muito antigamente pregava-se que o crente tinha um compromisso selado com Cristo.  Aquelas coisas do tempo da pedra lascada. É redundante, né? Pois bem... Depois era apenas uma promessa de compromisso para o futuro. Um tempo atrás a turma começou a “ficar com Jesus” nos cultos aos domingos e quando não tinha outra atividade mais importante. Ah, quando tinha festa também (outra especialidade gospel). Você sabe, crente pós-moderno tem agenda cheia! Se Ele não vier logo, não sei como ficará e melhor não será!
 
             “Oh, bichinho, tá ficando bom, hein!”
 
              Alguém que ousou nos dons e venceu barreiras em sua época de juventude, mas depois copiou apostilas de teólogos desviados, agora precisa urgentemente de uma bússola, pois não sabe mais para onde ir e nem onde está! Meu Deus, aviva a tua obra também nesse meio, seria a oração do momento? Credo? O que é isso? Credo, que palavra esquisita!
 
            Nada como um dia após o outro...
 
            Falei demais, logo a gente volta...

Nenhum comentário:

Postar um comentário