segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

O estabelecimento do sábado.


"E foi a tarde e a manhã: o dia primeiro.” Gn 1.5B
"... e foi a tarde e a manhã: o dia segundo.” Gn 1.8B
"E foi a tarde e a manhã, o dia terceiro.” Gn 1.13
"E foi a tarde e a manhã: o dia quarto.” Gn 1.19
"E foi a tarde e a manhã: o dia quinto.” Gn 1.23
"... e foi a tarde e a manhã: o dia sexto.” Gn 1.31B


"ASSIM os céus, a terra e todo o seu exército foram acabados. E havendo Deus acabado no dia sétimo a obra que fizera, descansou no sétimo dia de toda a sua obra, que tinha feito. E abençoou Deus o dia sétimo, e o santificou; porque nele descansou de toda a sua obra que Deus criara e fizera. "Gn 2. 1 a 3


Nestes versículos do primeiro livro da bíblia temos a descrição dos primeiros dias da criação.  Nota-se que, nos versículos acima citados, Deus delimita o período de todos os dias, com início e fim, tarde e manhã - respectivamente, mas quando relata o dia do sábado, nós não identificamos esta limitação. Então, por que não é dito "e foi a tarde e a manhã o dia sétimo, como nos outros seis dias primeiros?


Deus relata o sábado só com um início e não com um fim, mostrando-nos também que ele é um dia de descanso. O que seria este descanso?


No capítulo 20 do livro do Êxodo, versículo 8, Deus ao entregar os dez mandamentos também ressalta a lembrança do dia do sábado para que o santifiquemos – então sábado além de descanso é um dia santo.


Já no livro do profeta Isaías, no capítulo 58 e versículo 13, descreve o sábado como o dia no qual não podemos fazer a “nossa vontade”, nem de falar as “nossas próprias palavras” e lembra-nos que ele é um dia que devemos “honrar”.


O evangelista Marcos, no capítulo 2, no versículo 23 ao 28, relata um episódio no qual os fariseus estavam criticando os discípulos de Jesus por estarem colhendo espigas para comer, tendo como entendimento que no sábado não se podia trabalhar, inclusive este pensamento ainda tem alguns seguidores.


Mas Jesus concordou com essa ideia? Não! Ele respondeu que o sábado foi feito por causa do homem, e não o homem, por causa do sábado. Então, o entendimento não é desta forma.


Como seria então? Na epístola de Paulo aos colossenses, no texto abaixo descrito, o apóstolo exorta-nos a não julgarmos as pessoas pelo comer, beber... e por fim citou o sábado e no versículo após, ele nos ensina que o sábado é uma “sombra” das coisas futuras.   


“Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados, Que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo.”        Cl 2.16-17

 Relembrando: o sábado então é sombra, descanso, dia santo, não devemos fazer a nossa vontade e devemos honrá-lo.  Em Hebreus no capítulo 4 e versículo 3, o escritor aos hebreus relata que quem crê em Deus, entra no seu repouso, e no versículo após, o versículo 4 deste mesmo texto, ele faz referência ao dia do sábado e nos seguintes exorta-nos para que entremos nele. Igualmente, cita outros que não entraram por causa da desobediência.  


Então, qual é o dia do Senhor, santo, dia de descanso. Seria a segunda, a terça ou a quarta-feira? Seria até mesmo o sábado? Não. É o dia no qual aceitamos as boas novas de salvação através de Jesus Cristo e assim entramos no seu repouso, que tem início, mas não tem fim.


Ele não é delimitado, pois é um dia eterno...





Nenhum comentário:

Postar um comentário