terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Águas purificadoras.


O profeta Ezequiel relata uma visão de um rio que saía por debaixo do umbral da casa para o oriente.

As águas descem ao deserto, e entram no mar; e, sendo levadas ao mar, as águas tornar-se-ão saudáveis.

Essas águas não podiam ser medidas, pois a cada mil côvados ela aprofundava gradativamente porque as águas eram profundas, águas que se deviam passar a nado, rio pelo qual não se podia passar e à margem do rio havia uma grande abundância de árvores, de um e de outro lado.

E será que toda a criatura vivente que passar por onde quer que entrarem estes rios viverá; e haverá muitíssimo peixe, porque lá chegarão estas águas, e serão saudáveis, e viverá tudo por onde quer que entrar este rio.

E junto ao rio, à sua margem, de um e de outro lado, nascerá toda a sorte de árvore que dá fruto para se comer; não cairá a sua folha, nem acabará o seu fruto; nos seus meses produzirá novos frutos, porque as suas águas saem do santuário; e o seu fruto servirá de comida e a sua folha de remédio.

Em todo o tempo, do trono do Altíssimo saem águas vivas? Certamente.

Ele mesmo disse que aquele que beber da água que Ele der nunca terá sede, então, aquele que tiver sede, venha e beba!

Rios de águas vivas podem fluir em nós se dermos crédito às boas novas? Obviamente.

As águas milagrosas, entretanto, não curarão a todos, pois o vidente detalha que águas paradas (charcos e os seus pântanos) não tornar-se-ão saudáveis; serão deixados para sal.

         Por isso na caminhada é importante estarmos atentos. O crescimento espiritual tem que ser constante, para podermos experimentar do alimento sólido e não estarmos sempre imaturos e dependentes do leite. A passagem de Ezequiel no capítulo 47 é um convite, a cada cristão de experimentar as profundezas dos mistérios e intimidade com Deus, até chegarmos à profundidade de ter de atravessar à nado. Até chegarmos à estatura de “varão perfeito” (Ef. 4.13) o desejo e o comprometimento do cristão deve ser de o de aprofundamento mais e mais nas coisas de Deus, seja em oração, louvor, na Palavra e na intimidade com o Pai.

       Assim como as águas paradas tornar-se-iam não saudáveis na passagem de Ezequiel ou o Sal da Terra quando se torna insípido para nada mais serve a não ser para ser pisado pelos homens (Mt 5.13), o crente ao se estagnar espiritualmente deve tomar cuidado para não se transformar de cheiro suave ao fedor de lodo.

Deus morreu por todos para salvação de muitos? Sim!

Pois é...



Nenhum comentário:

Postar um comentário